Reportagens Relacionadas

Loading...

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Controlando a Endometriose pela Nutrição Aprimorada

Controlando a Endometriose pela Nutrição Aprimorada

por Jack Joseph Challem e Renate Lewin

Copyright 1989 Endometriosis Association Inc.


ENDOMETRIOSIS ASSOCIATION

A endometriose é (...) mais comum em mulheres que têm históricos de cólicas menstruais severas. Alguns médicos pensam que cólicas excessivas provocam “menstruação retrógrada”, no sentido de que o tecido do interior do útero é forçado a sair pelas contrações menstruais. De acordo com o falecido Carlton Fredericks, PhD., um nutricionista que teve um interesse especial sobre os efeitos da má nutrição sobre as mulheres, cólicas menstruais são um sintoma de deficiência de vitaminas do complexo B, e, em razão de falta de vitaminas B na nossa dieta moderna, refinada, elas tornaram-se disseminadas.

Outros médicos acreditam que o tecido endometrial cresce no abdômen quando a oxigenação dos tecidos é precária, tal como sucede durante estresse físico ou emocional. Uma deficiência de nutrientes antioxidantes, inclusive das vitaminas A, C e E, dos minerais germânio e selênio, pode resultar em má distribuição de oxigênio nos tecidos. Agressões físicas como cirurgia, parto e dispositivos intra-uterinos (DIUs) - colocados no útero para evitar a gravidez – podem provocar ou agravar a endometriose em mulheres suscetíveis.

Sem levar em conta o que fez o tecido endometrial sair do útero, o estrógeno fá-lo inchar e causa dor (3) (...), a solução é reduzir os níveis de estrógeno no corpo ao máximo possível.

Histerectomia, terapia hormonal (...) e gravidez reduzem os níveis de estrógeno, e, conseqüentemente, diminuem os sintomas da endometriose. Outra estratégia é baixar – ou, ao menos, normalizar – os níveis estrogênicos pela nutrição. Às vezes, cirurgia ou medicamentos são as únicas alternativas para a endometriose severa, embora remédios simples como alimento e vitaminas possam, às vezes, retardar a necessidade de tratamento ou torná-lo desnecessário.

Quando se trata de controlar o estrógeno no corpo de uma mulher, é o fígado – não os ovários ou o útero – o mais importante. O fígado conta com a boa nutrição no seu papel como desintoxicante do corpo. O fígado é importante porque toma o estrógeno cru, excretado pelos ovários da mulher, e as células de gordura (sim, a gordura fabrica o seu próprio estrógeno), e quebra-o em estriol, uma forma de estrógeno que não causa a proliferação de tecidos como o faz o estrógeno (5). Altas proporções de estriol para estrógeno (5) no corpo protegem a mulher do câncer de mama e de útero, e, se ela tem endometriose, seus sintomas serão menos severos porque o tecido crescerá menos a cada ciclo menstrual.

Para fazer essa mágica química, o fígado precisa de um suprimento rico e consistente das vitaminas B, especialmente de colina, inositol e B-6. As vitaminas B são supridas com mais intensidade por carnes, queijos, fígado, ovos e levedura. (6) Para a portadora de endometriose, suplementos vitamínicos são, provavelmente, necessários, porque é difícil obter níveis terapêuticos ótimos das vitaminas B a partir de alimentos, sem comer em excesso.

O estresse causa depleção rápida das vitaminas B no corpo. O mesmo ocorre com o consumo de açúcar, pão branco e álcool, que rouba nutrientes dos tecidos à medida que o corpo os tenta metabolizar. A cafeína causa problemas adicionais, porque não apenas rouba vitaminas pelo corpo, mas, também, aumenta o nível das prostaglandinas. As prostaglandinas são introduzidas pelo corpo que está sob estresse, e, ao mesmo tempo em que são essenciais para alguns processos de cura, podem causar graves cólicas menstruais capazes de agravar a endometriose.

Em adição às vitaminas B e seu papel no funcionamento do fígado, a vitamina E é importante para mulheres com desordens hormonais como endometriose. A vitamina E é um “antagonista natural” do estrógeno, no sentido de que ela quebra o estrógeno quando há muito dele no corpo.

Em razão de normalizar os hormônios, a vitamina E é essencial para a saúde reprodutiva feminina. A vitamina E ajuda a corrigir não apenas a endometriose, mas, também, cistos de mamários, menstruação pesada e infertilidade. A vitamina E também ajuda a suavizar os sintomas de endometriose porque mantém o tecido cicatricial macio e flexível, e minimiza as adesões que comumente ocorrem quando o tecido endometrial migra do útero.

Respostas inflamatórias em tecidos podem, às vezes, ser controladas comendo-se gordura. Sim, gordura – mas o tipo certo de gordura. Óleos de peixe e óleos encontrados em algumas sementes, mais notavelmente flax e sementes de amoras pretas tendem a alterar a produção de prostaglandina e, assim, ajudam a reduzir a inflamação. Algumas mulheres jovens que estão eternamente “fazendo dieta” podem, inadvertidamente, estar reduzindo seus níveis de gorduras importantes junto com as calorias.

Por último, mas não em menor importância, a vitamina C é um excelente oxigenador de tecidos para todos os fins. Se a endometriose é causada pela oxigenação precária dos tecidos, o nutriente pode ajudar a prevenir o problema. Se a endometriose é causada pelo estresse e pela baixa nutrição, a vitamina C protege tecidos sensíveis contra danos ulteriores.

Alguns alimentos tendem a elevar os níveis de estrógeno no corpo. Estes alimentos não são ruins – alguns são até recomendados para aumentar a fertilidade e a saúde geral – mas eles podem agravar os sintomas de endometiose em mulheres suscetíveis. Estes alimentos incluem trigo integral, frutas cítricas e inhames/cará/batata doce (da espécie Dioscorea).

Se você está sofrendo de endometriose, tente adicionar alimentos com alto teor de proteínas, tais como peixe e ovos, na sua dieta. Não se fie demais em grãos integrais ou frutas cítricas para suplementar as suas necessidades nutricionais. Se você cortar frutas cítricas, lembre-se de adicionar suplementos de vitamina C.

Alguns cientistas acreditam que, o se o corpo recebe um longo período de descanso de estímulos estrogênicos, o quanto suficiente, o tecido endometrial de fora do útero pode ser reabsorvido...

Medidas nutricionais para controlar o estrógeno não operam da noite para o dia. Elas, gradualmente, induzem o sistema a voltar ao normal. Depois de quatro a seis meses, muitas mulheres experimentam melhora de saúde com dietas ricas em vitaminas e baixas em calorias vazias. Para essas mulheres, poderá não ser mais necessário submeter-se a cirurgia ou agressão química com hormônios artificiais.

Fonte: http://www.sbvitimologia.org/artigos16.html

4 comentários:

Rosi Dimensional disse...

Muito boa essa materia, eu intuitivamente já tomo a vitamina E, a B6 e a vitamina C alem de fazer tratamento de acupultura e fitoterapia chinesa. Foi muito bom saber dos alimentos que tenho que diminuir, pois consumo muitas alimentos integrais.
Rosi

Nandhara disse...

Olá Rosi, achei está matéria bem interessante para todas nós. Gostei da do polen também pois vi que é um alimento que tem todas as vitaminas que ajudam a combater a endometriose. Uma dica pra todas eu moro atualmente em bh descobri um revendedor de mel, polen etc, vale muito mais a pena comprar deles do que na loja paguei por 1/2 kilo o preço que as lojas cobram por 170gr.
Achei bacana pois quem tem endometriose ou miomas normalmente tem anemia e o polen é ótimo para reverter quadros de anemia.

Ducati disse...

Obrigada pela matéria! vivo em Lisboa e aqui, apesar de exames e consultas não faltarem é difícil alguém posicionar-se profissionalmente e aplicar um tratamento. Ontem mesmo fui as emergências, a mais de um mês tenho dores, doze dias de período com muito fluxo, só parou pke iniciei um anticoncepcional para interromper. Depois apareceu-me dores no canal da urina, passaram -me antibiótico ontem terminei. Mas as dores continuam bem como ir ao banheiro todo minuto. Na endovaginal aparece quisto, mioma e ontem um médico disse a sra tem endometriose avançada, seu útero parece um queijo, e eu: sim e daí? enfim... saí de lá com alguns anti inflamatórios, já não sei o que faço. Gostaria se possível de algumas dicas, deixo aqui meu email para quem puder trocar experiências comigo a respeito do tema, Muito obrigada. Claudia.
clauducati@yahoo.es

Anônimo disse...

Fui diagnosticada com endometriose ligamentar. Consegui ter um filho que está com 2 anos, mas as cólicas intensas me perseguem por vários anos. Enfim, troquei de ginec e essa me passou uma ressonância da pelve. Tenho folículos espalhados por toda a parte abdominal...Ainda farei o CA-125 para definitivamente complementar o exame de imagem, mas desde já a médica me receito Allurene 2mg por pelo o menos 1 ano, tentando suprimir o máximo a doença. Gostei de ler as informações deixadas por vcs pois percebo que não sou a única passando por um período tão delicado. Vamos superar isso, e contar os efeitos positivos de nossos tratamentos.Bjss